O “X” do XRP

 

“Criptomoedas”

Desde que o Bitcoin foi apresentado ao mundo no Halloween de 2008 já foram criadas mais de 600 “criptomoedas” como são chamadas as moedas baseadas apenas em matemática e sem uma entidade central reguladora. Para ver um “mapa” dessas moedas visite http://coinmarketcap.com/.

Muitas dessas moedas são cópias do código fonte do Bitcoin com algumas alterações para adicionar características diferentes. Por exemplo, o Litecoin é o Bitcoin com ajustes principalmente no intervalo de bloco – quer dizer, o tempo que leva pra que novas transações sejam validadas pela rede e novas moedas sejam emitidas – e no modo de mineração, que usa um algoritmo diferente do do Bitcoin. Porém há moedas que, apesar de inspiradas pelo Bitcoin, foram escritas do zero, como é o caso da moeda Ripple (XRP), o assunto desse post.

O XRP tem sido assunto recorrente quando o tema são os pagamentos internacionais por causa de sua capacidade de reduzir os custos operacionais para instituições financeiras – veja esse post de nosso blog para mais detalhes.

O que é o XRP?

O XRP é a moeda nativa da rede Ripple, um ativo digital – que por natureza não possui contraparte. Isso quer dizer que não há uma entidade central controladora da moeda e suas transações são validadas por uma rede descentralizada.

O XRP é inflacionário ou deflacionário?

O XRP é deflacionário pois o estoque total da moeda sempre diminui. Na gênesis da rede Ripple foram emitidos 100 bilhões de XRPs que vão lentamente sendo consumidos por cada transação processada pela rede. No momento em que este post é escrito existem 99.995.936.313,38.

O XRP pode ser minerado como o bitcoin?

Resposta curta: não.

Resposta longa: Toda moeda sem contraparte encontra – entre outros – dois desafios chave para seu crescimento:

  • Como validar transações de maneira descentralizada
  • Como distribuir a moeda para atingir o maior número de usuários possível

O bitcoin resolveu essas duas questões através da mineração, pagando aqueles que executam as validações com novas moedas que são emitidas a cada bloco – elegante!

Porém, isso é bastante caro e, segundo alguns, potencialmente danoso para o meio ambiente pois usa uma quantidade enorme de energia elétrica. A primeira ideia de criação do Ripple foi a criação de uma criptomoeda que não precisasse ser minerada. Veja o post original que culminou na criação da rede ripple.

A solução encontrada para as validações foi criar um processo de consenso para a validação das transações que não necessite de grandes quantias de energia, o que foi executado através do método de consenso do ripple, que pode ser analisado nesse paper.

Para a distribuição da moeda os criadores da rede escolheram emitir todas as moedas e distribuí-las de acordo com decisões humanas que visavam o desenvolvimento técnico e de negócio da rede. Essa medida gerou muitas críticas de uma comunidade que estava acostumada à distribuição programática de moeda pois este seria um método sujeito a fraudes e às debilidades humanas. Desde então as principais maneiras de distribuição do XRP tem sido através de acordos com provedores de liquidez e com instituições financeiras, bem como vendas para custear a operação da empresa.

Somente agora essa estratégia está sendo compreendida pois seus resultados estão aparecendo. Hoje há dezenas de bancos integrando a solução de pagamentos interbancários que usam tecnologia Ripple. Veja uma lista aqui.

Porém, com a maturidade do sistema isso agora está mudando…

Novas estratégias de distribuição de XRP

O que parecia uma desvantagem se tornou uma vantagem. Com a rede de bancos em consolidação, a necessidade de uma moeda que possa servir como moeda comum entre vários mercados ficou evidente – mas como viabilizar isso e diminuir os riscos para investidores a ponto de criar a liquidez necessária para atender um mercado dessa magnitude?

Já está em teste um modelo de distribuição de XRP que remunera não aqueles que validam transações – pois isso custa pouco na rede ripple – mas aqueles que aumentam a liquidez do XRP. Ou seja, formadores de mercado poderão ser remunerados em XRP.

Outras maneiras de reduzir riscos para negociar XRP foram anunciadas no primeiro relatório trimestral do XRP – Empréstimos em XRP e vendas à instituições financeiras à preços de mercado.

Essas três medidas tentam conjuntamente criar o acesso e a liquidez necessária para que o XRP se torne a moeda usada em pagamentos interbancários.

Isso vai acontecer mesmo?

Segundo a Ripple, sua rede interbancária de pagamentos entrará em produção esse ano, alguns canais possivelmente usando o XRP.

Em setembro do ano passado, Bank of America Merrill Lynch, Santander, UniCredit, Standard Chartered, Westpac Banking Corporation, and Royal Bank of Canada fundaram o Ripple Global Payments Steering Group para impulsionar a adoção do Ripple, encontrar melhores práticas e padrões para pagamentos Ripple.

Muitos, como nós na Rippex, estão acompanhando de perto o desenvolvimento desse escossistema. Continuaremos postando novidades relevantes no nosso blog, twitter e mail-list.

Disclaimer

Apesar de sermos entusiastas, nada do que falamos aqui se qualifica como aconselhamento financeiro, contamos que os investidores em criptos façam sua lição de casa antes de tomar suas decisões.